Apresentador Luciano Huck usou R$ 17,7 milhões de empréstimo do BNDES para comprar jatinho

O apresentador Luciano Huck usou um empréstimo de R$ 17,7 milhões do BNDES, em 2013, para comprar um jatinho particular da Embraer. O financiamento, por meio do programa BNDES Finame (Financiamento de Máquinas e Equipamentos), teve como beneficiária a Brisair Serviços Técnicos e Aeronáuticos Ltda., da qual Luciano e Angelica Huck são sócios, e o Itaú como instituição financeira intermediária. Os juros do empréstimo foram de 3% ao ano, com 114 meses de amortização para o pagamento.

Procurada, a assessoria de Luciano Huck diz que “o Finame é um programa do BNDES de incentivo à indústria nacional, por isso financia os aviões da Embraer”. Afirma, também, que Huck usa o avião duas vezes por semana para gravar seu programa para a Rede Globo. A matrícula do avião é PP-HUC. Segundo o registro na Anac (Agência Nacional de Aviação Civil), a nave comporta oito passageiros e pertence atualmente ao Itaú, sendo a Brisair sua operadora.

BNDES

Em nota, o BNDES afirma que as condições seguiram as “definidas pelo Programa de Sustentação do Investimento (PSI), vigente à época, com taxas de juros fixas entre 3% a.a. e 3,5% a.a.”. Segundo o banco, as taxas eram oferecidas a qualquer empresa que obtivesse financiamento para aquisição de máquinas e equipamentos.

“Até dezembro de 2017, havia 1.036.572 operações registradas no BNDES com as condições do PSI, o que demonstra a pulverização do programa entre milhares de empresas de todo o Brasil”, diz o banco.

Ainda de acordo com a nota, o processo de concessão de financiamento do BNDES Finame é realizado por meio de agentes financeiros credenciados, que podem ser bancos, cooperativas e agências de fomento, por exemplo. “O BNDES repassa os recursos para os agentes, que analisam o risco de crédito e decidem pela concessão do financiamento”.

Com informações do Jornal Folha de São Paulo

Leia a Anterior

Balanço parcial da PRF aponta 19 acidentes e duas mortes nas BRs que cortam o Ceará

Leia a Próxima

Juízes brasileiros deixam de pagar R$ 360 milhões de Imposto de Renda graças a auxílios