Brasileiro se endivida por luxo e não reconhece marcas nacionais

Em se tratando de artigos de luxo, o Brasil é um caso à parte no mercado mundial. Tão à parte que seus hábitos incluem se endividar para conquistar um item, sentir-se melhor quando paga mais e, surpreendentemente, não reconhecer nenhuma marca nacional de roupas no segmento.

É o que mostra uma pesquisa da MindMiners, especializada em varejo, que, a partir de uma amostra de mil brasileiros das classes A e B, produziu um estudo abrangente sobre esse mercado, ainda uma incógnita para marcas internacionais fincadas no país.

Riqueza (59%), sofisticação (52%) e status (46%) foram as três palavras mais citadas quando se questionou o significado do luxo, que para a maioria tem a ver com um carro Ferrari (91%), um relógio Rolex (67%) e uma poltrona de avião na primeira classe (62%).

Dos entrevistados, 57% afirmam já ter parcelado suas compras de luxo, 33% sentem mais prazer se ele é caro e 13% dizem ter contraído dívidas para “ter acesso ao que a maioria não tem”, frase citada como definidora do luxo. Quando questionados sobre se conhecem alguém que se endividou pelos caprichos, 60% disseram que sim. Nenhuma marca de moda nacional foi citada como luxo. Do país, apenas as joalherias H.Stern e Vivara foram lembradas.

COM INFORMAÇÕES DA FOLHA DE S. PAULO

Send this to a friend