Caririenses criam plataforma para ampliar rede de doadores de sangue

Apenas 1,8% da população brasileira possui o hábito solidário de doar sangue com regularidade, conforme dados da Organização Mundial da Saúde (OMS).  Com o intuito de mudar essa estatística, estudantes da Faculdade Paraíso do Ceará (FAP) desenvolveram uma plataforma com a finalidade aumentar o número de doadores de sangue no país: a Hemogame.
A iniciativa tem o objetivo de incentivar doadores e pessoas aptas a doarem sangue a cumprir o calendário anual de doação, através de um sistema de recompensas e benefícios. Além disso, a plataforma pode agilizar e facilitar a busca dos receptores por um doador compatível.
Na prática, os doadores atuam na rede com o papel de convidar amigos e validar doações nos hemocentros. Como recompensa, eles acumulam pontos e podem trocá-los por vantagens oferecidas por empresas privadas que apoiam a causa.
De acordo com a acadêmica do curso de Sistemas de Informação da FAP, Valéria Brito, o único custo para os usuários é apenas a vontade de salvar vidas. Já para as empresas, é necessária uma participação no sistema de benefícios e uma mensalidade para trabalhar o marketing social.
“Além de ser uma forma mais divertida e interativa de salvar vidas, já que várias pessoas do bem estarão conectadas em uma plataforma, desbloqueando conquistas e recebendo benefícios, ainda é possível localizar doadores compatíveis que estejam por perto, a partir da criação de campanhas”, explica a estudante.
“Os benefícios podem ser diversos: desde um tempo menor na espera de um doador compatível até a salvação de mães que morrem em trabalho de parto, devido a hemorragias”, acrescenta Valéria Brito.
Serviço
Hemogame
Conheça a plataforma em www.hemogame.com.br
Instagram: @hemogameoficial
 
Relacionamento com a imprensa
Rogério de Brito
Contatos: (88) 98110-4155 ou rogerio.brito@fapce.edu.br
 
Sugestões de sonoras:
Entrevistada: Valéria Brito, aluna de Sistemas de Informação da FAP e uma das idealizadoras do projeto.
 
Sugestão de imagem:
Arquivo pessoal/ Valéria Brito
Com informação da A.I