Crise fiscal zera pagamentos a 508 programas federais, entre eles, a Barragem Germinal, em Palmácia

O Governo do presidente Michel Temer vai aos poucos se acabando antes mesmo de chegar ao dia 31 de dezembro deste ano. O esvaziamento político e financeiro é real e a falta de recursos para programas e ações deixa ainda mais isolado o presidente Michel Temer. Uma reportagem do Jornal Folha de São Paulo, publicada, neste domingo, mostra as dificuldades para o cumprimento do Orçamento da União e destaca que, em 2018, 508 programas – obras e ações, não receberam dinheiro do Governo Federal.
De acordo com a reportagem, ‘’a menos de três meses do fim do ano, mais de 500 ações do governo federal previstas no Orçamento não receberam nenhum centavo. Cerca de 20% dessas ações estão sem dinheiro desde que o presidente Michel Temer assumiu o posto, em 2016’’. A reportagem cita, ainda, que, ao todo, 1.585 programas federais estão previstos no Orçamento deste ano.
A reportagem relata, também, que ‘’com a falta de recursos, ficam comprometidos projetos de construção de hospitais, penitenciárias, sistemas de alerta de desastres naturais, compra de medicamentos de portadores de doenças raras e preservação do patrimônio histórico e natural’’.
Uma das obras atingidas é a Barragem Germinal, construída pelo Governo do Estado com recursos do Ministério da Integração Nacional, no município de Palmácia, na Região do Maciço do Baturuté. O reservatório, com capacidade para receber 2,1 milhões de m3 de água,  foi inaugurado, em 2017, mas, de acordo com o site do DNOCS, receberia um sistema adutor com investimentos, à época, de R$ 7,8 milhões.
Em 2018, R$ 9 bilhões para essas ações ainda não foram efetivamente pagos. Sobre a barragem Germinal (CE), conforme a reportagem da Folha de São Paulo, o Ministério da Integração afirmou que a execução da obra é de responsabilidade do governo do Estado. A pasta diz que inauguração ocorreu em agosto de 2017. Mas o Orçamento prevê o desembolso de R$ 8,6 milhões neste ano.