Estudo da CNI mostra que 2,7 mil obras estão paradas no Brasil

O estudo “Grandes obras paradas: como enfrentar o problema?” da Confederação Nacional da Indústria, CNI, aponta que 2.796 obras estão paralisadas no Brasil, sendo que 517 (18,5%) são do setor de infraestrutura. A área de saneamento tem 447 empreendimentos interrompidos. Na sequência, aparecem obras de rodovias (30), aeroportos (16), mobilidade urbana (8), portos (6), ferrovias (5) e hidrovias (5). A CNI informou que obteve os dados com o Ministério do Planejamento.

Segundo a CNI, o Brasil investe apenas 2% do Produto Interno Bruto (PIB) em infraestrutura, mas grande parte desse recurso vai para o ralo, em razão do excesso de obras que são interrompidas antes da entrega. Entre as principais razões para a interrupção de obras, figuram problemas técnicos, abandono pelas empresas e dificuldades orçamentárias e financeiras. O trabalho integra uma série de 43 documentos sobre temas estratégicos que a CNI entregou aos candidatos à Presidência da República.

A CNI recomenda seis medidas para que o país evite paralisações e atrasos: melhorar o macroplanejamento, avaliar qual modalidade de execução é a mais adequada; realizar microplanejamento eficiente; aparelhar melhor as equipes; desenhar contratos mais equilibrados; e fortalecer o controle interno.