Ibope: Ciro cresce, empata com Marina e chega a 12%. Bolsonaro mantém liderança

O Ibope divulgou na noite dessa quarta-feira, 5, a primeira pesquisa com intenções de voto à Presidência da República sem o nome do petista Luiz Inácio Lula da Silva, que, na sexta-feira da semana passada, teve o registro da candidatura negado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Como substituto de Lula, entra o ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad.

A pesquisa, contratada pela TV Globo e pelo Jornal O Estado de São Paulo, aponta o candidato do PSL, Jair Bolsonaro (PSL), com 22% de apoio dos eleitores. Em segundo lugar, empatados, estão Marina Silva (Rede) e Ciro Gomes (PDT), com 12%, seguidos por Geraldo Alckmin (PSDB), com 9%, e Fernando Haddad (PT), com 6%. Ciro saiu de 9% (Ibope, dia 20 de agosto) para os atuais 12% de apoio dos eleitores.

A pesquisa, registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) com o número BR-05003/2018, que tem margem de erro de 2 pontos percentuais, para mais ou para menos, e um intervalo de confiança de 95%, ouviu 2.002 eleitores em 142 municípios brasileiros entre os dias 1º e 3 de setembro, foi divulgada, em primeira mão, na noite desta quarta-feira, pelo Jornal Nacional, da TV Globo.

Segundo os números do Ibope, 21% dos entrevistados responderam que votarão em branco ou irão anular o voto, enquanto 7% não souberam ou não quiseram responder. A pesquisa anterior do Ibope, divulgada em 20 de agosto, apontava Bolsonaro com 20% no cenário sem Lula, seguido por Marina (12%), Ciro (9%), Alckmin (7%), Haddad (4%) e Alvaro Dias (3%).

Sobre esse levantamento, o Ibope divulgou a seguinte nota:

“Como informado ontem, na pesquisa de intenção de votos realizada entre os dias 1 e 3 de setembro, para seguir as decisões decorrentes do indeferimento da candidatura de Luiz Inácio Lula da Silva, que proibiram, entre outras coisas, que o ex-presidente participasse, como candidato, de atos de campanha, o Ibope deixou de aplicar o questionário em que o nome de Lula aparecia como postulante ao cargo de presidente da República, como constava do registo da pesquisa feito no TSE.

O instituto pesquisou apenas o cenário em que o nome de Fernando Haddad, candidato a vice-presidente pelo PT, aparecia juntamente com os candidatos que pediram registro.

O Ibope indagou ao TSE se este procedimento estava correto.

Em sua decisão de hoje, o ministro Luiz Felipe Salomão explicou que, segundo a lei, o TSE está impedido de responder a consultas como essa durante o período eleitoral.

Diante disso, e convicto de que agiu de boa fé e dentro da lei, e, ainda, no intuito de não privar o eleitor de informações relevantes sobre a situação atual das intenções de voto na eleição presidencial, o Ibope decidiu liberar os resultados da pesquisa para divulgação, decisão que contou com o apoio dos contratantes TV Globo e o ‘Estado de S.Paulo’.”

Preferência dos eleitores na disputa presidencial:

– Jair Bolsonaro (PSL): 22%

– Marina Silva (Rede): 12%

– Ciro Gomes (PDT): 12%

– Geraldo Alckmin (PSDB): 9%

– Fernando Haddad (PT): 6%

– Alvaro Dias (Podemos): 3%

– João Amoêdo (Novo): 3%

– Henrique Meirelles (MDB): 2%

– Guilherme Boulos (PSOL): 1%

– Vera Lúcia (PSTU): 1%

– João Goulart Filho (PPL): 1%

– Cabo Daciolo (Patriota): 0%

– Eymael (DC): 0%

– Branco/nulos: 21%

– Não sabe/não respondeu: 7%

O Ibope decidiu divulgar a pesquisa sem o nome do ex-presidente Lula após consulta ao TSE. A empresa registrou a pesquisa no TSE antes de a Corte barrar a candidatura de Lula, e fez um questionário com dois cenários: um com Lula e outro com Haddad. Com a decisão do TSE, os entrevistadores não apresentaram aos entrevistados o cenário com Lula.

O Ibope fez uma consulta ao tribunal para saber se poderia divulgar uma pesquisa cujo questionário original acabou não sendo totalmente seguido. O ministro Luis Felipe Salomão decidiu que não seria possível responder à consulta durante o período eleitoral, pois correria o risco de antecipar uma posição sobre um assunto que pode passar por julgamento no TSE. Com isso, o Ibope divulgou nota dizendo que, diante da decisão de Salomão, “convicto de que agiu de boa-fé e dentro da lei”, optou pelo anúncio dos resultados.

Simulação do 2º turno

– Ciro 44% x 33% Bolsonaro (branco/nulo: 19%; não sabe/não respondeu: 4%)

– Alckmin 41% x 32% Bolsonaro (branco/nulo: 23%; não sabe/não respondeu: 4%)

– Bolsonaro 33% x 43% Marina (branco/nulo: 20%; não sabe/não respondeu: 3%)

– Haddad 36% x 37% Bolsonaro (branco/nulo: 22%; não sabe/não respondeu: 5%)

Rejeição

O Ibope também mediu a taxa de rejeição (o eleitor deve dizer em qual dos candidatos não votaria de jeito nenhum). Nesse item, os entrevistados puderam escolher mais de um nome. Veja os índices:

Bolsonaro: 44%

Marina: 26%

Haddad: 23%

Alckmin: 22%

Ciro: 20%

Meirelles: 14%

Cabo Daciolo: 14%

Eymael: 14%

Alvaro Dias: 13%

Boulos: 13%

Vera: 13%

Amoêdo: 12%

João Goulart Filho: 11%

Poderia votar em todos: 1%

Não sabe/não respondeu: 10%

Observações: os entrevistados podem citar mais de um candidato, portanto os resultados somam mais de 100%; não é possível comparar os resultados desta pergunta com os da rodada anterior, já que Lula não constou como opção de resposta porque sua candidatura foi indeferida.