Ineficiência dos planos de saneamento básico e chuvas aumentam risco de leptospirose


Médico ortopedista e Professor, Dr. Henrique César.

Com o início da quadra chuvosa no Estado do Ceará neste ano, a atenção em relação a doenças infectocontagiosas devem ser redobrada. Entre elas, a leptospirose, uma doença causada por uma bactéria presente na urina dos ratos. Para o médico ortopedista e Professor, Dr. Henrique César, em seu comentário no Jornal Alerta desta quinta-feira (14), “isso é decorrente da ineficiência dos nossos planos de saneamento básico”.

A leptospirose é transmitida através do contato em poças d’água formada pelas chuvas, lamas de esgoto ou até mesmo por rios contaminados. A bactéria pode estar presente nessas águas acumuladas, fazendo com que a pessoa que tenha algum ferimento ou arranhão possa ser contaminada.

Dr. Henrique César, dar dicas de como se prevenir da doença:

– Manter a casa limpa, principalmente a cozinha;

– Os jardins no quintal;

– Cuidado com os animais;

– Armazenamento dos lixos e restos de alimentos.

Os principais sintomas da leptospirose são:

– Febre;

– Dor de cabeça;

– Dores pelo corpo, principalmente nas panturrilhas.

Podem também ocorrer vômitos, diarreia e tosse. Nas formas graves, geralmente aparece icterícia (pele e olhos amarelados), sangramento e alterações urinárias. Pode haver necessidade de internação hospitalar.

O período de incubação, ou seja, tempo que a pessoa leva para manifestar os sintomas desde a infecção da doença, pode variar de 1 a 30 dias e normalmente ocorre entre 7 a 14 dias após a exposição a situações de risco.

Leia a Anterior

Cadastro positivo automático é impositivo, afirma Beto Almeida

Leia a Próxima

PF do Ceará realiza primeira incineração de drogas em 2019