Onda de terror continua e criminosos derrubam torre de transmissão da Chesf em Maracanaú

Os bandidos não dão trégua. Eles voltaram a agir e, na madrugada deste sábado, derrubaram uma torre de sustentação do linhão da Chesf localizado em Maracanaú, na Grande Fortaleza. A estrutura da torre derreteu, os cabos de transmissão de energia foram ao chão, deixando no escuro áreas de cidades da Região Metropolitana.

A imagem enviada à redação do cearaagora, por volta de 01h50, mostra área da queda da torre na escuridão e vozes com relatos sobre a ação criminosa. Os atentados atribuídos ao crime organizado chegam ao 11º dia e  alimentam o pânico entre moradores de cidades do Interior e da Grande Fortaleza.

O Governador Camilo Santana pediu ao Ministério da Justiça, Sérgio Moro, mais homens da Força Nacional e novas vagas em presídios de segurança máxima para detentos que se encontram em unidades carcerárias do Ceará. Camilo expôs, por telefone, a situação crítica ao presidente Jair Bolsonaro, agradeceu o apoio do Governo Federal e voltou a dizer que o combate as facções criminosas precisa da ajuda da União.

Por conta do ataque, foram registrados relatos de queda e oscilação de energia em bairros de Fortaleza e cidades da Região Metropolitana como Cascavel, Eusébio, Maranguape, Itaitinga e Maracanaú. O Anel Viário foi interditado devido os fios caídos sobre a pista.

Em nota, a Enel Distribuição Ceará informou que a a queda da torre de transmissão de 500KV pertencente à empresa de transmissão Sistema de Transmissão Nordeste (STN), em Maracanaú, não causou interrupção no fornecimento de energia para clientes da distribuidora.

Entre as 17 horas dessa sexta-feira e a manhã deste sábado, a Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social atualizou o número de presos e apreendidos por participação nos ataques na Capital – agora são 330.

Outro vídeo antes da explosão foi divulgadas nas redes sociais com os criminosos mostrando o artefato que explodiu.

Leia a Anterior

VetMóvel oferece atendimento gratuito no Parque Estadual do Cocó

Leia a Próxima

Guerra contra ações criminosas não é apenas do Ceará, mas sim do Brasil