Pacificação no ninho tucano: Alckmin janta com Tasso e Perillo e aceita presidir o PSDB

A pacificação está a caminho no ninho tucano. O senador Tasso Jereissati e o Governador de Goiás, Marconi Perillo, selaram, na noite dessa segunda-feira, durante um jantar em São Paulo, apoio ao governador Geraldo Alckmin para presidência da Executiva Nacional do PSDB. Tasso e Perillo abriram mão das pré-candidaturas em nome da unidade do partido. O PSDB realiza, no dia 9 de dezembro, em Brasília, a Convenção Nacional para escolha dos novos dirigentes.

‘’Se o meu nome puder unir o partido, fortalecer o partido, como vigoroso instrumento de mudança para o Brasil, é nosso dever”, disse Geraldo Alckmin, após a conversa com Tasso e Perillo. Mesmo com o jantar da pacificação, o PSDB caminha para a Convenção Nacional com feridas internas expostas e desgastes externos após o envolvimento do senador Aécio Neves em denúncias de recebimento de  propina do Grupo JBS.

Favorito entre tucanos para disputar o Planalto, o governador paulista evitou comentar como se comportará, caso assuma o PSDB, em relação ao PMDB e ao governo Michel Temer. “Vamos aguardar a convenção”, afirmou. “Estamos concluindo esse período”, disse, sobre o debate em torno do desembarque. “A minha posição nunca mudou, sempre achei que não devia ter entrado.”

Alckmin não detalhou os termos do acordo e que cargos Perillo e Tasso ocupariam na Executiva em sua eventual gestão. “Todos devem participar. As lideranças das várias regiões do Brasil.” O governador paulista, que é pré-candidato ao Palácio do Planalto, defendeu a implementação de um conselho político no PSDB. “É importante uma instância para ouvir, dialogar”, justificou. O tucano cearense se antecipou para dizer que não brigará por cargos.

PSDB X TEMER

O PSDB vai à Convenção Nacional com divisões internas. Um grupo defende que o partido entregue os cargos que ocupa no Governo Federal. A ala favorável ao desembarque tem como um dos principais expoentes o senador Tasso Jereissati. Outro grupo quer manter a presença do PSDB no Ministério do presidente Michel Temer. O senador Aécio Neves, que afastou Tasso do comando interino do PSDB, é o principal interlocutor dos tucanos que querem permanecer no Palácio do Planalto. A divisão é evidente e poderá gerar defecções na bancada do partido na Câmara Federal após a Convenção Nacional do dia 9 de dezembro.