PT é acusado de fazer propaganda irregular na internet por meio de influenciadores digitais

O Piauí tornou-se um dos assuntos mais comentados nesse domingo, 26, no Twitter após uma série de comentários nas redes sociais. O que parecia ser apenas mais uma onda do mundo digital pode deflagrar o primeiro caso de suspeita de propaganda eleitoral ilegal na internet neste ano.

O caso foi descoberto a partir de uma sequência de comentários disparados por “influenciadores digitais” país afora elogiando e até pedindo voto para o governador do Piauí, Wellington Dias, candidato à reeleição pelo PT. Os elogios teriam sido pagos.

Segundo resolução do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) editada no final do ano passado, é proibido propaganda paga nas redes na campanha deste ano. Um ex-ministro do TSE ouvido pelo Jornal O Globo confirmou que pagar por comentários favoráveis a candidatos configura propaganda irregular. A punição é multa de até R$ 30 mil.

Quem primeiro denunciou o caso foi a usuária @pppholanda. Ela participava de um grupo, arregimentado por uma empresa, que recebia dinheiro para postar conteúdos “de esquerda”. Mas não concordou com a defesa apenas de candidatos petistas. A usuária disse que o combinado, inicialmente, seria organizar uma “ação séria de esquerda, não uma ação partidária”. Após receber orientações para escrever mensagens elogiosas a Gleisi Hoffmann, Luiz Marinho e Wellington Dias, ela resolveu romper com o grupo. O estopim foi o pedido de apoio ao governador do Piauí.

Com 45,3 mil seguidores, a usuária “Juliane com e de Exu” (@exuliane) usou as informações repassadas pelo recrutadores para elogiar Wellignton Dias. Depois que o assunto viralizou, ela desistiu de participar e se disse arrependida de ter publicado um post elogioso ao petista.

“Uma agência contratou influenciadores para uma ação de esquerda onde havia pautas progressistas como LBGT mulheres. Acontece que virou partidária no meio do caminho. Agora tão caindo matando nos influenciadores”, escreveu a usuária.

Contratada pelo PT, a empresa BeConnect prestou oficialmente o serviço de fazer diagnóstico, monitoramento e análises de ambiente de redes sociais. Para atender ao partido, a BeConennect subcontratou a empresa LaJoy, que interagia com os influenciadores digitais.

Em nota, Joyce Falete, dona da LaJoy, disse que foi contratada “para o mês de junho e julho” pela BeConnected “para dar consultoria sobre quais jovens profissionais tecnológicos e digitais de esquerda eram aptos a construir e sugerir a melhor tática (conteúdo: posts, memes e gifs) de apresentar a proposta para quando chegasse o período eleitoral”.

Joyce diz que não houve “nenhuma contratação” por sua empresa pelo período. E que ela apenas havia indicado nomes que “discutem e fortalecem as causas progressistas de esquerda”.

Ao Jornal O Globo, Rodrigo Cardoso, dono da Beconnect, disse que sua empresa não foi contratada para fazer campanha eleitoral e que é contratada pelo PT, dede junho, para fazer o monitoramento de redes sociais. Ao Jornal O Globo, Rodrigo negou que qualquer influenciador tenha recebido pelo serviço. E não revelou quanto recebeu até agora pelo partido.

Em resolução publicada no ano passado para regular a campanha eleitoral de 2018, o TSE diz, no artigo 24, que “é vedada a veiculação de qualquer tipo de propaganda eleitoral paga na internet, excetuado o impulsionamento de conteúdos, desde que identificado de forma inequívoca como tal e contratado exclusivamente por partidos políticos, coligações e candidatos e seus representantes”.

Com base em conversas de influenciadores arrependidos, que postaram o convite para espalhar notícias favoráveis às campanhas petistas, o advogado do PSDB no Piauí, Carlos Yuri, da Coligação “Piauí de Verdade”, protocolou neste domingo no Tribunal Regional Eleitoral (TRE-PI) representação por propaganda irregular feita pela coligação “A Vitória com a Força do Povo”, de Dias. Segundo Yuri, a ação contraria a Resolução 23.555, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que regulamenta a propaganda na Internet, é proibido fazer propaganda paga a não ser por impulsionamento.

Ele incluiu na ação matéria feita pelo jornal O GLOBO, mostrando que o Twitter decidiu não permitir propaganda de campanha por impulsionamento. E no caso do Facebook, que controla o Instagram, pode vender impulsionamentos, mas com contrato e CNPJ do contratante declarado na prestação de contas da Justiça Eleitoral. Nesse caso, a empresa contratada, La Joy, que tem como CEO Joyce Faleti, não tem CNPJ nem endereço, mas aparece no Linkedin como agência de influência digital de Belo Horizonte.

“O que precisa ser apurado é se o PT nacional está usando a estratégia de usar influência digital paga, o que é proibido por lei. Pelo que apuramos esses valores podem chegar até a R$20 mil. Essa empresa La Joy não tem endereço nem CNPJ, mas temos os prints das conversas e dos convites enviados aos influenciadores para fazer as propagandas manifestamente irregular. Podem negar, mas terão que produzir provas em juízo”, disse o advogado do PSDB, Carlos Yuri.

Segundo ele, o responsável pelo marketing nacional do PT é Rodrigo Cardoso. “É uma espécie de confissão de culpa de que o PT está usando um exército de influenciadores digitais pagos para influenciar na eleição, o que é vedado pela lei”, disse Carlos Yuri.

Ouvido pelo Jornal O Globo, o governador Wellington Dias disse que foi surpreendido com o burburinho envolvendo seu nome nas redes sociais hoje pela manhã e nega que a ação para a contratação de influenciadores digitais tenha partido de sua equipe de campanha. Segundo Dias, a ação partiu de “uma moçada” da direção nacional do PT. O governador disse que sua campanha está indo muito bem, que sua equipe foca no Piauí e não precisa desse tipo de compra de influenciadores digitais que “é contra a lei”.

“Eu fui surpreendido. Não tem nada a ver com a nossa campanha. Eu perguntei para a minha equipe e me garantiram que nada disso partiu daqui. Depois alguém da direção nacional do PT me ligou explicando que teve a produção de um material com uma fala minha, pegaram a entrevista e passaram para outras pessoas e isso se multiplicou. O que sei é que teve uma estratégia de uma moçada lá da direção nacional que passou para umas pessoas e essas pessoas foram repassando para outras. Quando a gente soube, uma pessoa da direção nacional disse que iria soltar uma nota para explicar”, disse.

“Sim, sim, a compra de impulsionamento é contra a lei, mas nada disso foi feito por aqui, não tem nenhum contrato nosso. Nossa campanha vai muito bem, modéstia à parte, não precisa disso”, completou Wellington Dias.

Procurada, a campanha do PT Nacional disse que não participou da iniciativa. A assessoria do PT não se manifestou.

Com informações do Jornal O Globo

Compartilhe: