Alerta Geral: com nova idade mínima, a Reforma se torna mais fraterna?

Reforma da Previdência define idade mínima e abre o debate: ela chega, assim, com um tom mais brando?

A Reforma da Previdência, que fixa a idade mínima em 65 anos para aposentadoria de homens e 62 anos para mulheres – com um período de transição de 12 anos – na opinião de alguns, chega com um tom mais brando, enquanto outros acreditam que ela é agressiva com parcela da população. O tema foi assunto no Bate Papo Político desta sexta-feria (15) entre os jornalistas Luzenor de Oliveira e Beto Almeida.

Para Luzenor de Oliveira, a reforma, em comparação com a vazada pela imprensa, em relação a definição da idade mínima, vem em um tom mais brando e “fraterno“, como disse o próprio presidente ao defender as medidas. Mas, contrapondo-se no debate, Beto Almeida discorda: “você é um otimista“. Para o jornalista, a faixa de transição reduzida – período para a proposta entrar em vigor – passando a 12 anos, faz com que parte dos trabalhadores não sejam beneficiados.

Desde o início, a equipe econômica defendeu uma idade mínima de 65 anos para homens e para mulheres. Já o presidente discordava da idade mínima das mulheres: queria 60 anos. Além disso, o tempo de transição desejado pelos economistas era de dez anos, algo também negociado por Bolsonaro, que queria 20 anos de transição. No final, o consenso ficou em 12 anos.

Compartilhe: