Anvisa aprova proposta que pode liberar o cultivo de maconha medicinal para indústria e ciência

O plantio doméstico de maconha por pessoas físicas e para o consumo recreativo continuará proibido no país

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária, Anvisa, aprovou na tarde desta terça-feira (11), duas propostas preliminares que podem liberar o cultivo da planta de Cannabis Sativa no Brasil para fins medicinais e científicos, além da produção de medicamentos nacionais com base em derivados da substância. Agora, as propostas devem ser publicadas no Diário Oficial da União e submetidas a uma consulta pública.

O plantio doméstico de maconha por pessoas físicas e para o consumo recreativo continuará proibido no país. Os documentos preveem que apenas empresas possam cultivar a planta em ambientes controlados sob supervisão da Anvisa e de autoridades policiais, e que a venda seja feita diretamente para a indústria farmacêutica ou entidades de pesquisa.

Atualmente, é proibido cultivar a planta de cannabis em território brasileiro. A lei determina que quem produz a cannabis para consumo pessoal está sujeito à prestação de serviços à comunidade e ao comparecimento a programa educativo, sem fazer ressalva ao uso médico.

A ideia é que, ao regulamentar o cultivo da planta, caia o custo da produção de medicamentos com base na Cannabis sativa, e que se reduza também o número de ações judiciais para compra de remédios não registrados no Brasil.

Leia a Anterior

16 delegacias de Fortaleza que não possuem plantão terão celas desativadas

Leia a Próxima

Mortes por gripe no Brasil já chegam a 199 casos, Ceará registra 19 óbitos por Influenza