Após repercussão do caso de caxumba em atacante da seleção brasileira, Dr. Henrique César dá dicas de prevenção

O assunto foi destaque no Jornal Alerta Geral desta terça-feira (2)

Foto: Reprodução.

Depois da confirmação de que o atacante da seleção brasileira Richarlison estava com caxumba, as atenções se voltaram ao tema. Com a repercussão, vem, então, a dúvida: você sabe como identificar a doença?

O assunto foi destaque no Jornal Alerta Geral (Rádio FM 104.3 – Expresso Grande Fortaleza + 26 emissoras no Interior) desta terça-feira (2), pelo médico ortopedista e professor universitário Dr. Henrique César.

Sintomas

Os primeiros sintomas são: febre, calafrios, dores de cabeça, musculares e ao mastigar ou engolir, além de fraqueza. Uma das principais características da doença é o aumento das glândulas salivares próximas aos ouvidos, que fazem o rosto inchar.

Nos casos graves, a caxumba pode causar surdez, meningite e, raramente, levar à morte. Após a puberdade, pode causar inflamação e inchaço doloroso dos testículos (orquite) nos homens ou dos ovários (ooforite) nas mulheres e levar à esterilidade.

A doença é altamente contagiosa e pode ser transmitida por contato direto com gotículas de saliva ou perdigotos de pessoas infectadas. Costumam ocorrer surtos da doença no inverno e na primavera. As crianças são as mais atingidas.

Prevenção

A melhor maneira de evitar a caxumba é com a vacinação aos 15 meses de vida. Caso uma pessoa seja afetada, ela não deve comparecer à escola ou ao trabalho durante nove dias após início da doença.

É preciso, também, desinfectar os objetos contaminados com secreções do nariz, da boca e da garganta do doente. A vacinação de bloqueio é recomendada para quem manteve contato direto com pessoas doentes.

Confira as dicas do Dr.Henrique César clicando no player abaixo:

Leia a Anterior

“Não sabemos mais a quem recorrer”, diz Heitor Férrer sobre transposição

Leia a Próxima

Juazeiro do Norte: duas crianças são encontradas mortas em lagoa