Bancada federal do Ceará não chega a acordo sobre recursos para o Estado no Orçamento da União de 2020

O assunto ganhou destaque no Bate Papo Político do Jornal Alerta Geral desta quarta-feira (9).

A bancada Federal do Ceará se reuniu na noite dessa terça-feira (8) em Brasília para discutir sobre a destinação dos recursos para o Governo do Estado no Orçamento da União de 2020, porém os parlamentares não chegaram a um acordo.

O assunto foi repercutido pelos jornalistas Luzenor de Oliveira e Beto Almeida, no Bate Papo Político do Jornal Alerta Geral (Expresso Fm 104.3 na Grande Fortaleza + 26 emissoras no Interior + Redes Sociais) desta quarta-feira (9).

Com relação à proposta de recursos destinados ao Governo do Estado, o deputado federal José Airton Cirilo afirma, em entrevista ao Jornal Alerta Geral, que não houve um consenso, tendo em vista que a bancada se encontra dividida. O deputado ainda acrescenta que ficou acordado que os parlamentares se reunirão com o governador e levarão suas reivindicações.

“A partir dai se encontrar uma saída para acordar um acerto da proposta que o governador fez de liberar a metade das emendas impositivas”, afirma José Airton.

Camilo Santana (PT), Governador do Ceará, quer pelo menos, R$ 124 milhões dos R$ 248 milhões previstos para as seis emendas impositivas da bancada.

José Airton Cirilo:

Luzenor explica que, das 18 emendas a serem apresentadas pela bancada do Ceará, 6 são impositivas, o que significa que o Governo Federal tem a obrigação de aplicar os recursos dessas emendas.

“É por essa razão que o governador Camilo Santana está na queda de braço com os deputados federais e senadores para convencer a bancada a transferir para o estado do Ceará metade dos R$ 248 milhões”, afirma Luzenor, que também esclarece que as outras 12 emendas não são impositivas, logo, o Governo não tem a obrigação de transferir os recursos previstos nas emendas.

 “São dois pontos. Primeiro, a questão de prioridades em relação ao que é mais emergencial mais necessário para investimentos no estado do Ceará no ano que vem. No entendimento do Governador Camilo Santana, é saúde e segurança […] os deputados discordam, acham que muitos desses investimentos devem ir para a área de segurança, para a segurança hídrica. Não tem um consenso em relação a isso”, explica Beto sobre a dificuldade de realizar o acordo.

Beto ainda acrescenta mais um ponto “a insatisfação dos deputados federais. Eles reclamam, não só nos bastidores. Reclamam para o governador Camilo Santana, de que o governo não cumpre [suas obrigações], ao não repassar, por exemplo, as emendas para os colégios eleitorais.”

 

 

 

Leia a Anterior

Índice oficial de preços tem deflação de 0,04% em setembro

Leia a Próxima

Custo da construção civil aumenta 0,37% em setembro