Canonização de Irmã Dulce cria novo roteiro de fé e orações no Nordeste

A Igreja Católica ganhou, nesse domingo (13), a primeira santa brasileira. A irmã Dulce é, hoje, oficialmente, a Santa Dulce dos Pobres. Com atuação no Estado da Bahia, dedicada sempre aos mais humildes, Irmã Dulce teve dois milagre comprovadas pelo Vaticano que a levaram a ser oficializada, nesse domingo, pelo papa Francisco a 37ª personalidade brasileira canonizada pela Igreja Católica.

“Em honra da Santíssima Trindade, pela exaltação da fé católica e para incremento da vida cristã, com a autoridade de Nosso Senhor Jesus Cristo, dos Santos Apóstolos Pedro e Paulo, e Nossa, depois de refletir por muito tempo, ter invocado a ajuda divina e ouvido a opinião de irmãos bispos, declaramos e definimos santos os beatos John Henry Newman, Giuseppina Vannini, Maria Thresia Chiramel Mankidiyan, Dulce Lopes Pontes (Maria Rita de Souza Brito Lopes Pontes) e Marguerite Bays, e os inscrevemos no registro dos santos, estabelecendo que em toda a Igreja eles sejam devotamente honrados entre os santos”, afirmou o papa Francisco, ao nominar os novos santos da Igreja Católica.

Uma caravana de políticos – entre deputados federais e senadores, além do governador da Bahia e do prefeito de Salvador, acompanhou a solenidade no Vaticano. A canonização de Irmã Dulce abre, na Região Nordeste, um novo roteiro de fé e orações.

Confira as informações com o correspondente do Jornal Alerta Geral, Sátiro Salles:

Leia a Anterior

Enem 2019: veja dicas de como fazer uma boa prova de redação

Leia a Próxima

Editorial: Após abusos contra os consumidores, Enel recebe primeira punição