Com Lula livre, PSDB tem intolerância e atribui ao ciclo petista o crescimento do desemprego

Após a soltura do ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva (PT), o Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB) se posicionou e afirmou que, “nos últimos meses os chamados partidos de esquerda ficaram na cômoda posição de não participar do esforço nacional de recuperação das dificuldades criadas ao longo de seus governos”.

O partido defende que os governos esquerdistas ficaram apenas na “confortável posição” do grito ‘Lula Livre’. A declaração é do presidente nacional do PSDB, Bruno Araújo.

De acordo com a nota, os apoiadores de Lula, inelegível pela lei da ficha suja, se recusaram a dialogar, votaram contra as reformas que adequaram o Estado aos novos tempos e não se propuseram a buscar saídas para a crise.

Confira a nota na íntegra:

Nos últimos meses os chamados partidos de esquerda ficaram na cômoda posição de não participar do esforço nacional de recuperação das dificuldades criadas ao longo de seus governos para ficarem na confortável posição do grito “Lula Livre”.

Os apoiadores de Lula, inelegível pela lei da ficha suja, se recusaram a dialogar, votaram contra as reformas que adequaram o Estado aos novos tempos e sequer propuseram saídas para a crise em que jogaram o Brasil.

Lula, Dilma Rousseff – sucessora escolhida por ele – e o PT são os responsáveis diretos pela maior recessão de nossa história, pelo déficit fiscal explosivo, pela alta taxa do desemprego, e pela subsequente estagnação da economia. Propiciaram também a volta do crescimento da pobreza registrado a partir de 2015, segundo pesquisa do IBGE divulgada esta semana, após uma longa série de avanços que remontava aos anos noventa.

Decisão judicial se respeita. A soltura do ex-presidente Lula, entretanto, pode alimentar ainda mais um clima de intolerância na sociedade brasileira, no qual polos extremos preferem se hostilizar ao invés de dialogar.

Com Lula solto, nova palavra de ordem não basta mais. Será preciso apresentação de soluções para a crise que eles próprios criaram. Retórica vazia não gera emprego nem reduz miséria ou desigualdade. Cabe a todos os atores políticos serem responsáveis e serenos neste momento de nervos à flor da pele.

Bruno Araújo, presidente nacional do PSDB

Leia a Anterior

Presidente da AL, Sarto, diz que pretende realizar duas itinerantes por ano

Leia a Próxima

Para evitar que o óleo se espalhe, Prefeitura de Caucaia improvisa barreira de contenção