FGV: Confiança Empresarial atinge maior nível desde 2014

No mês de dezembro, o Índice de Confiança Empresarial (ICE) cresceu 1,0 ponto, chegando a 95,9 pontos, o maior nível desde os 97,8 de março de 2014. Na métrica de médias móveis trimestrais, o índice subiu 1,9 ponto.

Os dados foram divulgados nesta quarta-feira (2), no Rio de Janeiro, pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (FGV IBRE) e fazem parte da Sondagens de Índices de Confiança Empresarial.

O ICE consolida os índices de confiança dos quatro setores cobertos pelas Sondagens Empresariais produzidas pela FGV IBRE: indústria, serviços, comércio e construção.

+ Veja mais

Confiança da indústria sobe 0,5 ponto em dezembro. Ceará também teve alta em 2018

Confiança do comércio atinge maior nível desde abril de 2013

Os dados indicam que o Índice de Situação Atual (ISA) subiu 1,1 ponto, para 91,2, o maior valor desde os 92,8 pontos de junho de 2014.

Confiança

O estudo da FGV indica, ainda, que, pelo segundo mês consecutivo, houve aumento da confiança na margem em todos os setores que integram o ICE.

Já na métrica de média móveis trimestrais, a variação foi negativa apenas na indústria, com queda de 0,4 ponto. Com expressiva alta no mês, a confiança do comércio passa dos 100 pontos pela primeira vez desde março de 2014.

A indústria e os serviços avançaram menos e apresentam agora níveis de confiança muito próximos entre si. Já a confiança da construção subiu pelo quarto mês consecutivo, mas continua sendo a mais baixa entre os quatro setores.

Difusão da Confiança

Em dezembro, houve alta da confiança em 65% dos 49 segmentos que integram o Índice de Confiança Empresarial.

No mês passado, no entanto, a alta havia alcançado 84% dos segmentos.

Para a edição de novembro de 2018, foram coletadas informações de 4.701 empresas entre os dias 3 e 21 de dezembro. A próxima divulgação do ICE será no dia 31 de janeiro.

Leia a Anterior

Brasileiro quer juntar dinheiro para pagar dívidas, diz pesquisa

Leia a Próxima

General assume GSI e diz que setor de inteligência foi “derretido”