Plenário da Câmara dos Deputados vota destaques da reforma da Previdência nesta quinta-feira

Pontos importantes do texto ainda precisam ser votados para apontar uma regra definitiva, como a transição para os policiais e o salário das trabalhadoras que se aposentarem com contribuição mínima de 15 anos permitida pela PEC

O Plenário da Câmara dos Deputados realiza hoje sessões extraordinárias para continuar a votação da reforma da Previdência. O texto base da proposta foi aprovado nessa quarta-feira (10), por 379 votos a 131, em primeiro turno. Deputados ainda vão analisar destaques que podem alterar pontos do texto.

Pontos importantes do texto ainda precisam ser votados para apontar uma regra definitiva, como a transição para os policiais e o salário das trabalhadoras que se aposentarem com contribuição mínima de 15 anos permitida pela PEC.

Apenas um dos destaques, a emenda do deputado Wellington Roberto (PL-PB) que pretendia retirar os professores das mudanças impostas, mantendo as regras atuais apresentados ao texto, foi votado ontem. A emenda foi rejeitada por 265 votos a 184.

Os destaques podem ser de emenda ou de texto. Para aprovar uma emenda, seus apoiadores precisam de 308 votos favoráveis. No caso do texto do substitutivo separado para votação à parte, aqueles que pretendem incluí-lo novamente na redação final da PEC é que precisam garantir esse quórum favorável ao trecho destacado.

Texto-base

O texto-base aprovado é o substitutivo do deputado Samuel Moreira (PSDB-SP), que aumenta o tempo para se aposentar, limita o benefício à média de todos os salários, eleva as alíquotas de contribuição para quem ganha acima do teto do INSS e estabelece regras de transição para os atuais assalariados. Em relação à proposta original do governo, ficaram de fora a capitalização (poupança individual) e mudanças na aposentadoria de pequenos produtores e trabalhadores rurais.

Leia a Anterior

Fortaleza registra 43 arrastões em ônibus no primeiro semestre do ano

Leia a Próxima

Ceará registra quase 600 casos de acidentes com cobras nos seis primeiros meses de 2019