Políticos tradicionais dão as costas à sociedade, diz Carlos Matos, ao se referir à infidelidade de Roberto Pessoa

“Não tem sentido um partido com a dimensão do PSDB, com a estatura que o Tasso conquistou no cenário em nível nacional, com a história que nós temos, ficar omisso na eleição em Fortaleza’’, reage o tucano.

O pré-candidato do PSDB à Prefeitura de Fortaleza, Carlos Matos, não demonstrou, nesta quarta-feira (20), em entrevista ao Jornal Alerta Geral (FM 104.3 e FM 107.5 – Grande Fortaleza + 26 emissoras no Interior + redes sociais), abalos com a declaração do deputado federal Roberto Pessoa que assumiu apoio ao Capitão Wagner, disse que se mantém firme na corrida pelo Paço Municipal e lamentou que os políticos tradicionais não tenham compreendido as mudanças exigidas pela sociedade. Segundo Matos, quem age, assim, dá as costas para a sociedade.

‘’Nós estamos no momento de viver e reavivar o que está no DNA do PSDB, que é se aliar à sociedade. Os políticos tradicionais não compreendem a mudança que a sociedade está passando. Eles estão dando as costas para a sociedade. A sociedade tem uma linguagem nova, ela quer coerência, ela quer um caminho que ela passe a confiar e, na medida que ela vê incoerência, ela desconfia’’, disse Carlos Matos, ao responder à indagação sobre o gesto de infidelidade do deputado Roberto Pessoa, que é filiado ao PSDB, mas decidiu ignorar o partido e oficializar apoio à pré-candidatura do Capitão Wagner (PROS).

O PSDB, segundo Carlos Matos, está firme na construção de um novo projeto para Fortaleza:

‘’Nós estamos passo a passo conduzindo o PSDB para esse novo momento. Nós vamos nos aliar à sociedade porque entendemos a mensagem: o povo não acredita mais em políticos que são incoerentes’’, disse o tucano para, em outro ponto da entrevistar, destacar:

‘’É preciso um caminho verdadeiro que ela possa confiar e é, nesse caminho, que nós estamos. Não tem sentido um partido com a dimensão do PSDB, com a estatura que o Tasso conquistou no cenário em nível nacional, com a história que nós temos, não pode ficar omisso na eleição em Fortaleza’’.

Ao ser questionado se a ausência do deputado federal Roberto Pessoa fragiliza o palanque do PSDB na Capital, Carlos foi enfático: ‘’Não’’! Em tom conciliador, o tucano acrescentou:

‘’O Roberto Pessoa se antecipou. As alianças não estão sendo discutidas agora, vão ser discutidas no que vem. O Roberto é muito dócil….ele saberá ver que na campanha do PSDB tem uma boa resposta para Fortaleza. Então, o tempo é capaz de consolidar os projetos’’, disse Carlos ao lembrar que, em 1986, ninguém acreditava que o Tasso fosse eleito governador e, ao ser eleito, fez a maior transformação na história do Ceará.

Segundo Carlos Matos, Fortaleza está precisando dessa nova grande mudança. ‘’Muitos não compreendem, dentro do próprio partido, mas o papel da liderança é exatamente esse: apostar no novo, numa grande transformação, no novo momento de ruptura’’. Com esse pensamento, Matos enalteceu a postura do presidente da Executiva Regional do PSDB, Luiz Pontes, que vem estimulando a renovação dos quadros do partido e o lançamento de novos nomes na corrida das eleições de 2020.

Decidido a ampliar o debate dentro do Projeto ‘Ocupa Fortaleza’ – estratégia para mobilizar simpatizantes e discutir os problemas enfrentados pela população, Carlos Matos reafirmou que a sua pré-candidatura, que é desejo do PSDB, não tem recuo: ‘’É um caminho só,  pra frente, tentando conquistar, consolidar, atrair todos para acreditar nessa proposta, que é definitiva e não tem volta’’.

Confira, em vídeo, a entrevista, nesta quarta-feira, ao Jornal Alerta Geral (FM 04.3 e FM 107.5 – Grande Fortaleza + 26 emissoras no Interior + redes sociais), do pré-candidato do PSDB à Prefeitura de Fortaleza, Carlos Matos, e a análise do jornalista Beto Almeida sobre os desdobramentos das declarações do deputado federal Roberto Pessoa que anunciou apoio à pré-candidatura do Capitão Wagner à sucessão em Fortaleza.

Leia a Anterior

Questão do Enem é anulada por já ter sido aplicada no exame do ano passado

Leia a Próxima

Senado deixa regra mais branda e aprova PEC Paralela com transição de 5 anos para a aposentadoria