Prefeitos voltam a Brasília para cobrar dinheiro da cessão onerosa do petróleo

Recursos para os municípios do Ceará chegam perto dos R$ 600 milhões e os gestores querem as verbas até o final deste ano, como decidiu o Senado

Nilson Diniz, presidente da Aprece, nos estúdios do Jornal Alerta Geral / Foto: Redação

A falta de consenso entre os deputados federais e senadores para os estados e municípios serem contemplados com os recursos do megaleilão para exploração do petróleo na camada do pré-sal, ainda, neste ano, leva a Brasília, dezenas de prefeitos de cidades brasileiras.

Os prefeitos não querem perder o dinheiro e pressionam os deputados federais a manterem os critérios de divisão dos recursos a serem repassados pela União aos estados e municípios. Somente para o Estado do Ceará, com base nesses critérios, são mais de R$ 730 milhões e, para as 184 prefeituras, mais de R$ 560 milhões, o que, em seu total, somam um volume de R$ 1 bilhão e 300 milhões.

O presidente da Associação dos Prefeitos do Ceará (Aprece), Nilson Dinizi, que se soma à caravana de gestores municipais que desembarcam, a partir desta terça-feira, em Brasília, lamenta a falta de consenso e os prejuízos que as Prefeituras estão sofrendo com as divergências surgidas na Câmara Federal para a divisão dos recursos da cessão onerosa do petróleo.

Confira a declaração do presidente da associação:

Leia a Anterior

Uece é a melhor estadual do Norte, Nordeste e Centro-Oeste do Brasil pela nona vez

Leia a Próxima

Bolsonaro diz que óleo que atingiu praias do Nordeste não é brasileiro