Projeto com regras para rateio do pré-sal é lido no Senado, mas há insatisfação entre senadores do Nordeste

Os estudos apontam que, entre os 9 estados do Nordeste, haverá redução de quase R$ 1 bilhão no volume total de recursos da cessão onerosa. Inclusão de critérios da Lei Kandir provoca o baque nos cofres dos estados nordestinos

Aprovado na última quarta-feira pela Câmara Federal, o Projeto de Lei 5478/2019, que define o rateio, entre estados e municípios, de parte dos recursos do leilão de petróleo do pré-sal a ser realizado no próximo dia 6 de novembro, foi lido, nessa quinta-feira, no Plenário do Senado. Após a leitura, a matéria foi encaminhada à análise da Comissão de Assuntos Econômicos (CAS) e poderá ser aprovada na próxima semana.

O texto aprovado pelos deputados é fruto de um acordo entre Câmara, Senado e governadores, para que as regras atendam a todos os estados. O dinheiro a ser dividido é uma parte do chamado bônus de assinatura, que totaliza R$ 106,56 bilhões. A estimativa de extração do bloco a ser licitado é de 15 bilhões de barris de óleo equivalente.

Após mudanças nos critérios de partilha do dinheiro, os 9 estados do Nordeste podem perder quase R$ 1 bilhão. Os cálculos apontam que, para o Ceará, a redução no volume de verbas da cessão onerosa ultrapassa os R$ 200 milhões. Inicialmente, a previsão era de que o Estado receberia R$ 730 milhões, mas, com a alteração de critérios, a estimativa agora é de pouco mais de R$ 500 milhões. Quanto aos municípios, não há prejuízos e, para as 184 cidades cearenses, são, pelo menos, R$ 543 milhões.

Origem do dinheiro

Do total do bônus, R$ 33,6 bilhões ficarão com a Petrobras em razão de acordo com a União para que as áreas sob seu direito de exploração possam ser licitadas. Do restante (R$ 72,9 bilhões), 15% ficarão com estados, 15% com os municípios e 3% com os estados confrontantes à plataforma continental onde ocorre a extração petrolífera. Os outros 67% ficam com a União (R$ 48,84 bilhões).

A proposta foi aprovada na Câmara na forma de substitutivo do deputado Domingos Sávio (PSDB-MG). Segundo o relator, os governadores e os prefeitos acompanharam o debate para que se pudesse chegar a um consenso.

A área a ser licitada foi inicialmente concedida à Petrobras (cessão onerosa), mediante pagamento, para extração de 5 bilhões de barris, mas novas sondagens descobriram que a reserva tinha mais cerca de 15 bilhões de barris. É este excedente que será licitado.

O acordo prevê que o rateio entre os municípios seguirá os coeficientes do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) e que o rateio entre os estados obedecerá a dois parâmetros: 2/3 proporcionalmente aos índices de repartição do Fundo de Participação dos Estados (FPE); e 1/3 segundo os critérios de ressarcimento por perdas com a Lei Kandir, que impôs isenção de tributos de produtos exportados, e critérios do Auxílio Financeiro para o Fomento das Exportações (FEX).

Tipos de gastos

O projeto permite aos estados e ao Distrito Federal usarem sua parcela exclusivamente para o pagamento de despesas previdenciárias, inclusive de estatais, exceto as independentes, e para investimento.

Entretanto, para usar em investimentos, o ente federado deverá criar uma reserva financeira específica para pagar as despesas previdenciárias a vencer até o exercício financeiro do ano seguinte ao da transferência dos recursos pela União. A reserva não precisa ser com os recursos repassados.

O bônus de assinatura será pago em duas parcelas pelos vencedores do leilão. Uma neste ano e outra no próximo ano.

Já os municípios poderão usar sua parte em investimento ou para criar uma reserva para o pagamento de suas despesas previdenciárias a vencer, como no caso dos estados. Assim, não há obrigação de criar a reserva para poder usar o dinheiro em investimentos.

No caso das despesas previdenciárias, estão incluídas aquelas de contribuições para o INSS e para fundos previdenciários de servidores públicos, inclusive as incidentes sobre o 13º salário e quanto a multas por descumprimento de obrigações acessórias.

A principal mudança feita por Domingos Sávio no projeto original foi retirar a possibilidade de os recursos serem usados para pagar débitos previdenciários com o INSS parcelados nos termos da Lei 13.485, de 2017.

(*) Com informações da Agência Câmara Notícias

Leia a Anterior

Deputados se reúnem na Assembleia para discutir potenciais das regiões cearenses com foco nos pequenos negócios

Leia a Próxima

Confira o que abre e o que fecha no feriado de Nossa Senhora Aparecida