TCE, enfim, acorda

O TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO (TCE) CONSTRÓI,
pela primeira vez em sua história, um canal de comunicação
com a sociedade e passa a popularizar a sua importância na
fiscalização do dinheiro público. O lançamento do aplicativo
destinado a estimular o cidadão a vigiar e denunciar eventuais
desvios dos recursos oriundos da arrecadação tributária
estadual é um dos mais relevantes papéis a serem cumpridos
pelo TCE. A medida tem um cunho educativo extraordinário em
duas vertentes: primeira, criar uma cultura de cidadania para
a população se sentir participante do processo de aplicação do
dinheiro público e, segunda, mostrar aos cearenses o que é e
para que serve o Tribunal de Contas do Estado.

Aposentadoria
OS TRIBUNAIS DE CONTAS sempre foram órgãos fechados,
desconhecidos pela maioria dos cidadãos e, ao mesmo
tempo, destino final para contemplar políticos a caminho da
aposentadoria ou desestimulados a permanecer na atividade
parlamentar. Foi, assim, com o TCE e com o TCM.

Mudança de rumo
A HISTÓRIA COMEÇA, porém, a mudar nas duas direções: o
Tribunal de Contas dos Estados dá uma verdadeira guinada
em sua história ao se conectar com a sociedade. A iniciativa
acontece no momento em que há dúvidas sobre a permanência
do Tribunal de Contas dos Municípios (TCM), que hoje se mantém
graças a uma liminar da ministra do STF, Carmen Lúcia.
Novo papel
O TCE se populariza e começa a construir uma nova fase para
talvez, em breve, assumir uma missão ainda mais ampla:
fiscalizar e apreciar as contas das Prefeituras e Câmaras de
Vereadores. Se derrubada a liminar que sustenta o TCM, caberá
ao TCE a responsabilidade pela fiscalização do dinheiro que
passa pelos cofres dos Poderes Executivo e Legislativo das 184
cidades do Ceará.
Olho em 2018
O GOVERNADOR CAMILO SANTANA (PT), ao dedicar tempo
na agenda para bate papo com internautas, via Facebook,
fortalece a sua marca de homem de diálogo e procura afastar
especulações e dúvidas sobre a sua candidatura à reeleição.
Camilo pensa e quer ser candidato a um novo mandato.

Leia a Anterior

Maia: comissão terá “cuidado”, mas discutir BPC é necessário

Leia a Próxima

Exportações em alta