Unidade Móvel atende 1.200 pessoas no enfrentamento à violência contra a mulher

Em três meses de estrada, percorrendo assentamentos, aldeias indígenas e comunidades rurais, a Unidade Móvel de Enfrentamento à Violência contra a Mulher do Campo, da Floresta e das Águas, serviço executado pela Secretaria da Proteção Social, Justiça, Cidadania, Mulheres e Direitos Humanos (SPS), já contabiliza a participação de quase 1.200 pessoas. De junho a agosto deste ano, 914 mulheres e homens participaram de palestras e rodas de conversas, 231 foram capacitadas, enquanto outras 35 foram individualmente atendidas em 47 distritos de 13 municípios cearenses.

“Nossa meta para 2019 é cobrirmos todas as macrorregiões do Ceará e chegarmos ao dobro de mulheres”, sinaliza a psicóloga da secretaria-executiva de políticas para mulheres da SPS, Gabriela Freitas. Na próxima semana, a unidade visita mais oito distritos, nos municípios de Várzea Alegre, Farias Brito, Nova Olinda e Araripe, na Região do Cariri.

A secretária-executiva de políticas para mulheres da SPS, Denise Aguiar, destaca que o serviço é fundamental para alterar sobre os muitos tipos de violência e possibilitar que as mulheres se empoderem e se libertem desse ciclo de violência.

“Muitas vezes, as mulheres não percebem que a situação pela qual estão passando trata-se de uma violência. Essa conversa permite que elas olhem para si e analisem suas condições. É uma semente para a libertação”, aponta Denise Aguiar.

Violência multicausal

Segundo Gabriela Freitas, o foco da unidade é atender distritos e comunidades mais distantes, levando informações necessárias que possibilitem às mulheres da Capital, do campo, serras e do litoral a equidade de direitos e o empoderamento feminino.

“A violência sofrida pelas mulheres no campo é multicausal e as atinge de formas distintas das mulheres da cidade”, explica.

Além de alertas sobre as diversas formas de violência física, verbal e psicológica a que podem ser submetidas no dia a dia, acrescenta a assistente social Eveline Rocha, as mulheres recebem orientações sobre seus direitos e a Lei Maria da Penha e sobre onde denunciar casos de agressão.

As técnicas da SPS realizam ainda encaminhamentos para a rede de enfrentamento à violência contra a mulher, como Delegacia de Defesa da Mulher, Centros de Referência, Centros de Referência em Assistência Social (Cras) e Centros de Referência Especializado em Assistência Social (Creas). Capacitações são ministradas também em centros comunitários e para movimentos sociais, com o objetivo de formar multiplicadores.

Entre junho e agosto, foram atendidas comunidades das macrorregiões dos sertões Central, dos Inhamuns, de Canindé e de Crateús; da Grande Fortaleza, do Vale do Jaguaribe, Serra da Ibiapaba e Litoral Leste.

Mais informações: (085) 3101-3011

Programação

Varzea Alegre – 16 de setembro
8 h – Sede – Em frente ao Centro Social Urbano
14 h – Distrito Canindezinho

Farias Brito – 17 de Setembro
8 h – Distrito de Quincunca
14 h – Vila de Umari

Nova Olinda – 18 de Setembro
8 h – Bairro Pissarreira
13h30 – Vila Alta

Araripe – 19 de Setembro
8 h – Distrito Pajeú
14 h – Distrito de Alagoinha

 

 

 

 

 

 

 

(*)com informação do Governo do Estado do Ceará

Leia a Anterior

Natação Paralímpica: Brasil garante vaga em sete finais do mundial

Leia a Próxima

Prazo para solicitar atendimento especializado no Enade termina hoje